Um filho rico de um rico pastor, escrevendo sobre sua vida dentro e fora da igreja; em uma sutil forma de poesia.

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

"Conhecimento é Poder


    Eu sempre ouvi nos colégios e das pessoas de idade mais avançada que o conhecimento é a maior riqueza do ser humano, como por exemplo, para minha família, seria ter o conhecimento da existência de Deus. Infelizmente, ao refletir sobre isto, eu estava de terno em um transporte coletivo, aproximando-se das dez horas da noite após um culto normal de domingo.
    Não sei quanto as outras pessoas, mas gosto apenas de sentar com a janela ao lado, sendo esta uma das vantagens de se pegar um ônibus no domingo: mais opções para se sentar. E se há algo que misteriosamente me faça pensar em milhares de coisas e refletir sobre elas é a janela de algum transporte, seja avião, carro ou no caso, um ônibus. Olhando as ruas mais ou menos iluminadas passarem, comecei a concluir que as escolas, assim como as pessoas mais adultas, não mencionaram um pequeno detalhe, na verdade, esqueceram de associar uma afirmação a uma tendência.
    'O poder corrompe; e o poder total corrompe totalmente'. Esta é a peça-chave do meu pensamento, pois se me disseram que conhecimento é poder, então no fim das contas o conhecimento para mim nada mais será que um instrumento de corrupção. Alguém pode me citar a existência de grandes e bons homens históricos, super inteligentes e de grande contribuição social, mas além de ainda não ter encerrado meus motivos, deixei claro que isto é apenas uma teoria sobre um comportamento humano. Quando falo conhecimento, está de uma maneira muito ampla, todavia, se eu disser que há vários tipos de conhecimento e consequentemente, vários tipos de poder e maneiras de usá-los, então talvez você entenda melhor o que quero dizer.
    Ora, o homem é mal por natureza, tendendo a corromper aquilo que o cerca. Então quanto mais ele conhece algo, mais ele usará este conhecimento para o mal, logo, corrompendo-se por conhecer demais. Se não usa com maus intuitos, usa visando seu benefício próprio que provavelmente será o prejuízo de outros. De qualquer maneira, alguém sairá perdendo.
    Enquanto eu filosofava neste triângulo equilátero formado por conhecimento, poder e corrupção, quatro indivíduos muito suspeitos até para um cego subiram pela porta traseira do transporte. Estavam mal vestidos, nitidamente algumas noites sem dormir e sob efeito de drogas, tramando algo nada honesto. Antes que um deles fizesse alguma coisa, mandei uma mensagem para meus secretários dizendo que havia sido roubado, e que viessem a minha procura usando nossa roupa que usamos nas reuniões de nossa seita. E quando me encontrassem, poderiam se divertir junto comigo, obedecendo os meus sinais.

_ Todo mundo quietinho, não quero ver herói por aqui, entenderam? Eu MATO! Aqueles dois vão passar recolhendo tudo e não quero ver conversa! CONTINUA DIRIGINDO, PALHAÇO! Parou por quê?!

    Dois deles foram à frente do ônibus, próximo ao cobrador, nos abordando com uma arma e uma bolsa velha, onde todos colocavam seus pertences, sendo agredidos verbalmente e fisicamente; inclusive, mulheres e pessoas de idade avançada. Um ficou mais ao fundo para olhar ao redor do ônibus.
    Quando encostaram a bolsa no meu braço, tive a audácia de olhar o rosto de um deles. Pois, coincidentemente eu tinha a impressão de já ter visto o rapaz que aparentava ser o "líder", o que falou primeiro.

_ Ficou maluco? Não olha pra mim, imbecil!
_ Por favor! Chega de violência!

    Logicamente tomei um bom soco na boca, entregando o celular e a carteira a muito contragosto, com uma senhora bastante apavorada ao meu lado. No entanto, este soco, apesar de poder sentir um filete de sangue escorrendo do canto de minha boca, valeu muito a pena. Felizmente, eu sabia exatamente quem eram dois desses quatro marginais.

_ Cai fora! Vai! Já levamos tudo. VAI!

    Depois que todos os passageiros colocaram algo na bolsa, os quatro correram para o fundo do ônibus e chutaram com força a porta para sair. Um grande clima de tensão que estava no ar se dissipava lentamente. Mas, quando o ônibus estava dando a partida para continuar, resolvi tomar de volta o que é meu. Na verdade, resolvi dar uma pequena lição sobre conhecimento àqueles nojentos.

_ Motorista!

    Bati na porta de trás chamando por ele.

_ Quer abusar da sorte, rapaz?!
_ É só abrir.

    Sem questionar e ainda assustado, ele abriu e finalmente pude descer. O ônibus saiu o mais rápido possível enquanto eu olhava ao redor para ver se encontrava meu trunfo.

_ Eu sei que não cabe na sua bolsa, no entanto esqueci de entregar meu terno! Ele é italiano!

    Eu estava em uma esquina, próximo a um beco bastante escuro. Entrei nesse beco e esperei. A única iluminação descente neste local era quando carros passavam com os faróis acesos, fora isto apenas a lua e a luz muito fraca do poste. Os nobres rapazes ouviram minha provocação e se dirigiram gentilmente até mim.

_ Acha que vai falar de Deus pra gente? Pastor imundo!

    O jovem que me xingou era um dos que eu conhecia. Este delinquente é o filho mais velho de uma pobre senhora evangélica, viúva e que trabalha como garçonete. Sua renda mensal é baixíssima, obrigando seus filhos a estudarem em uma escola pública. Não que isto seja sinônimo de uma péssima educação, mas com certeza nos dias de hoje também não ajuda. Ela se converteu na minha igreja, faz aproximadamente um mês, mas atualmente congrega em outra igreja de mesma denominação, muito próxima a sua residência. Quando há um visitante no templo, os recepcionistas anotam seus dados básicos e sempre há muita 'festa' e comemoração. Mas, eu foquei principalmente a parte do desabafo.
    Ela contou aos prantos que não podia estar presente na vida de seus dois filhos, caso contrário os três morreriam de fome. Situação cujo subterfúgio é facilmente ligado a Deus. A senhora continuou a história focando seu filho mais velho, dizendo que estava muito envolvido com pessoas erradas e fazendo coisas erradas, levando seu irmão mais novo para o mesmo caminho. E quando ele, o mais velho, soube da parte em que sua mãe oferecia regularmente o dízimo, foi o estopim para uma revolta e uma inimizade ferrenha explodirem na consciência do garoto contra a 'religião'.
    O jovem se indignava em como as pessoas doavam aquilo que precisavam para a igreja. Foi então num belo domingo em que ele, junto com seu irmão pequeno que estava chorando, entraram com tudo no salão do templo e retiraram sua própria mãe à força do local. Eu apreciei esta vergonha e até hoje nunca esqueci, afinal, não se sabe quando vamos precisar de alguma informação, não é?

_ Que tal a gente dar uma boa lição nesse ladrão idiota? Tirem toda a roupa dele!

    Quando os outros se aproximaram sorrindo e comentando quem faria o quê (diga-se de passagem, algo que envolvia um grande constrangimento sexual), eu abaixei a cabeça e comecei o que realmente vim fazer...

_ Sua mãe sabe o que você anda fazendo, Pequeno Príncipe?

    Engraçado, todos pararam e fecharam seus olhares insignificantes em mim.

_ Vocês acertaram o fato de eu ser pastor, mas estão muito enganados se pensam que sirvo a Deus.

    No bolso do terno, eu sempre tenho guardado um bloco de anotações disfarçado de "mini" Novo Testamento. Este era recém adquirido e estava totalmente em branco.

_ Diga-me, Pequeno Príncipe, você aprendeu alguma coisa sobre a bíblia? Sua mãe se esforçou tanto...

    Tal informação é de importância fundamental, pois eu nada faria se não soubesse desse detalhe. Este pseudônimo faz referência ao livro original, sendo esse o apelido do filho mais novo daquela pobre mãe. Ela dizia que só o chamava assim quando estava em particular com ele, por ser o único livro que esse delinquente chegou a ler. E claro, que por ser o mais novo, tem todo um carinho especial.

_ Que droga essa... Quem é esse cara, Josh?

    Esse é o nome do nosso ilustre filho mais velho, que para a minha sorte, descobri agora. O nome do caçula sem personalidade é Lews. Os quatro estavam completamente parados na minha frente, entreolhando-se algumas vezes. Então, comecei a me aproximar com passos pequenos, aproveitando os segundos de 'escuridão' sem os faróis dos carros para tirar meu Novo Testamento do bolso.


_ 'Mas eu vos digo que toda a palavra ociosa que os homens disserem hão de contar no dia do juízo. Porque por tuas palavras serás justificado, e por tuas palavras serás condenado'. Será que as suas palavras naquele ônibus vão justificar você, Josh? Ou irão condenar?

    Eu abri o livro e fingi estar lendo, afinal, tenho vários versículos decorados. Após 'ler', joguei levemente meu Novo Testamento para que Josh o segurasse.

_ O que.. O que isso significa...?

    Com as mãos trêmulas, ele segurava sua arma e a 'bíblia'. Ao folhear por completo e ver que tudo estava em branco, seu desespero aumentava cada vez mais rápido.

_ O que foi, sr. Josh Mills? Não consegue ler o que está escrito?

    Mills é o sobrenome do pai deles.

_ Como.. Como você sabe tanto sobre mim...?! ELA ESTÁ EM BRANCO, NÃO ME ENROLE!
_ Por muito tempo meu mestre está olhando o que você vem fazendo, Josh.

    Um de seus compassas tomou o Novo Testamento da mão de Josh e apontou sua arma para mim.

_ Leia o que está escrito aqui! Leia!

    Ele abriu aleatoriamente o livro mais ou menos perto do começo. Fiz questão de guiar minha 'leitura' deslizando o dedo indicador como se estivesse seguindo uma linha.

_ 'Pois os que são segundo a carne inclinam-se para as coisas da carne; mas o que são segundo o Espírito para as coisas do Espírito. Porque a inclinação da carne é a morte; mas a inclinação do Espírito é vida e paz. Porquanto a inclinação da carne é inimizade contra Deus, pois não é sujeita à lei de Deus, nem, em verdade, o pode ser. Portanto, os que estão na carne não podem agradar a Deus'. Vocês quatro não só estão inclinados na carne, vocês MERGULHARAM NELA! Vocês são inimigos declarados de Deus, e o final da estrada de todo aquele que está na carne, meus amigos, É A MORTE!

_ Meu Deus... Por que eu não consigo ler...?! Isso é impossível!
_ Eu não quero terminar no inferno.. O que você obrigou a gente a fazer, Josh! Ninguém aqui consegue ler essa porcaria! VOCÊ CONDENOU TODO MUNDO, JOSH!

    Lews apontava a arma para seu irmão. Brincadeira de família nem sempre é saudável.

_ Abaixe isso! Ficou maluco?!

    Ah, como eu me divirto. Manipular a mente de viciados morrendo de fome, deixando-os loucos. Não tem celular ou relógio que paguem.

_ Lews, meu mestre deseja fazer um trato. Está interessado?
_ QUE CONVERSA É ESSA? EU NÃO QUERO CONVERSA COM O DIABO! ABAIXA ESSA MÃO OU EU ATIRO EM VOCÊ, MISERÁVEL!
_ MEU DEUS, NÃO! O QUE É... ME SOLTEM! SOLTEM! NÃO! DEUS!

    Óbvio que meus grandes amigos Asmodeus e Belial já haviam chegado. Na verdade, eles estavam na esquina desde que comecei a ler. Sorrateiramente eles se aproximavam até uma distância ideal. Quando eu estendi a mão para um dos que não fazia parte da família dos dois irmãos, meus secretários entenderam o sinal por ouvirem nossa conversa. E num instante de sombra o marginal sumiu junto com um grito de desespero, distanciando-se cada vez mais.

_ Suas resistência é inútil, Pequeno Príncipe. Quanto mais você demorar, mais rápido vai chegar sua vez.

    O outro que também não fazia parte da família estava com sua bermuda um pouco molhada. E se ajoelhou deixando sua arma no chão.

_ O que aconteceu... Aonde ele foi..?
_ Meus caros, eu vou explicar o que aguarda os senhores. Vocês espancaram, humilharam e torturaram centenas de pessoas. Inclusive, iriam me estuprar. Quando eu os encontrar no outro lado, vou pisar nos seus músculos e ossos expostos, irei humilhar e estuprar brutalmente cada um de vocês quatro, não necessariamente nesta ordem. E as suas vítimas que não conseguiram perdoar os senhores e foram corroídos pelo ódio e pela vingança, também irão participar desse banquete, e já devem estar se deliciando com seu companheiro neste exato momento. E você é próximo. Levante-se.
_ NÃO! SOCORRO! ALGUÉM ME ESCUTE! ALGUÉM ME.. NÃO! NÃO! POR FAV..!

    Totalmente cambaleante e histérico, ele correu para esquina como se tivesse para acontecer com ele a pior coisa possível no mundo. Estendi a mão para cima e mais gritos de loucura ecoavam da esquina até o fim deste beco tão especial, cessando conforme eu abaixava a mão.

_ Eis o trato: atire em seu irmão e o mate, assim meu mestre dará a você mais um tempo. Quem sabe você não consegue se redimir?
_ LEWS? PARE! LE...

    E não é que o garoto atirou? Bem, foi de olhos fechados e atirando na perna, tremendo mais do que chorava. Mas já havia me surpreendido.

_ Se você o matar, Josh, poderá atirar nele por toda eternidade.
_ DESGRAÇADO!

    Não há nada de mais destrutivo do que semear a discórdia em algum lugar. Josh, deitado no chão, apontou a arma para seu irmão, tentando pressionar o ferimento em sua perna com a outra mão. Mas, antes que ele disparasse, Lews atirou no peito de Josh. Cumprindo o acordo.

_ Fiz... minha parte... Agora faça a sua... Por favor...

    Ele largou a arma no chão lentamente... Se ajoelhando para chorar, colocando as mãos em seus olhos.

_ Você está fora da lista, garoto, não se preocupe. Nada irá acontecer. No entanto, o que sua amada mãe vai pensar de você, Pequeno Príncipe? Ela só tem a você agora. Vai conseguir dizer a ela que para não entregar sua alma, precisou matar seu irmão? Ao meu ver só restou a ela um assassino.

    Ele vagarosamente engoliu o choro e pegou a arma de volta.

_ Diga a minha mãe que sentirei falta dela...

    Lews se matou com um tiro na cabeça. Poucos segundos depois, Belial e Asmodeus se aproximam.

_ O que fazemos com os que estão inconscientes?
_ Arraste-os até aqui, assim eles irão acordar lúcidos e ao lado de seus amigos mortos. Deixem que a falta de conhecimento os abrace também. Revistaram eles?
_ Sim, estamos levando apenas o dinheiro que havia com eles.
_ Ótimo, vão na frente, esperem só que eu dê o último adeus.

    Pude ouvir Josh agonizando no chão. Provavelmente ouviu minha conversa com meus secretários.

_ Primeiro: você não vai sobreviver, pois não chamarei socorro. Segundo: este Novo Testamento está em branco, apenas usei do seu cansaço, vício e falta de conhecimento bíblico para fazer tudo isto. Adeus.

    Ele não disse nada, simplesmente fechou os olhos e se entregou. Asmodeus e Belial já tinham trazido os outros e os largaram no chão.

_ Bem, o que querem fazer com o dinheiro extra?
_ Eu soube de uma nova boate que abriu esse mês. Está aberta de sexta a domingo. Querem ir?
_ Uma boa ideia.
_ O QUE A GENTE FEZ, CARA! O QUE A GENTE FEZ!

   Depois de darmos alguns passos em direção a uma praça onde estava nosso carro, ouvimos mais disparos vindos do beco. Sem dúvidas, o conhecimento é a maior riqueza que o ser humano pode ter..."

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

"Pague o Preço

    Os sentimentos de maneira geral têm uma característica fascinante: a capacidade de se segurarem ou mesmo de se 'agarrarem' no nosso interior de uma maneira única, a qual apenas os sentimentos podem fazer. É algo realmente impressionante quando o que sentimos chega a ser tão grande que me obriga a perguntar: quem foi o autor dos sentimentos? Quem foi o ser superior o qual criou algo tão poderoso? Capaz de atravessar o tempo, superar a morte e realizar tantas outras coisas impossíveis?
     Bem, no momento queria me deter no sentimento que em minha opinião é o mais revoltante de todos: o amor. Sua vasta compreensão não permite a um pobre mortal abranger todas as suas faces, mas, focarei em uma das que mais me chama atenção. Se o amor se apega de tal forma no nível mais profundo de nosso ser, o que pode acontecer se houver a necessidade deste amor ser retirado? Sim, muitos príncipes e muitas donzelas no passado e inúmeras pessoas no presente enxergaram apenas a triste opção de tirar a própria vida para poder arrancar um amor de suas 'almas'. E há quem não acredite na força do amor.
    É algo tão doce e ao mesmo tempo amargo, saber que todos estão aptos para sentir algo, seja variando do extremo ódio ao puro amor, porém, ser abalizado para deixar de sentir determinado sentimento pode ser a tarefa mais árdua a ser enfrentada por um ser humano. Pois assim como houve os que fracassaram nessa missão, também existem os que 'conseguiram'. Mas, conhece aquela frase que diz 'tudo tem um preço?', pois bem, está aí uma verdade que podemos chamar de universal. Os que conseguiram tirar um amor de verdade de suas vidas, provavelmente pagaram o alto preço que o amor exige para ser removido: a felicidade.
    A partir daí podemos criar um ciclo vicioso e viver entre a cruz e a espada. Qual o ser humano que pode viver sem amar? Aquele que não quer ser feliz. Então há alguém que não queira ser feliz? Aquele que não deseja correr o risco de sentir a dor de apagar um amor - E eu sou esse alguém - ... Porém, o maior problema é que somos realmente viciados em sentimentos e não percebemos isto.  Interessante, não? Para os humanos é impossível sentir absolutamente nada, logo, assim como um viciado em drogas pesadas, procuramos involuntariamente sentir algo por alguém para saciarmos este vício que todos nós temos, seja do amor por um pai, uma amizade por um amigo de infância ou uma raiva do seu chefe no trabalho.
    Porém, para aqueles que decidiram 'pagar' para não mais amarem, ocorrerá um sério agravante sobre essa decisão: ter de pagar o maldito preço da felicidade todos os dias. Por quê? Porque todos os dias vamos querer amar? Não exatamente. Paga-se todo dia porque a partir do momento em que você achar que não vai mais amar, o amor com certeza vai te pegar de surpresa. Então se faz a pergunta: será mesmo que vale a pena pagar com a felicidade para deixar de amar? Qual seria a graça da vida sem riscos? Inclusive, o risco de amar e se decepcionar? Bem, é uma decisão pessoal. Há quem diga que sou covarde por fazer isso, mas eu refuto este argumento ridículo, pois se teve alguém que foi covarde comigo foi o amor; porque quando mais precisei dele, ele deu às costas a mim.
    Você pode me dizer que estou passando a culpa de terceiros para o coitado do amor, mas não é verdade. Sabe por quê? Quando uma pessoa pede para se casar com alguém, por exemplo, muito provavelmente dentro deste indivíduo existe um sentimento que chamamos de amor. Logo, o amor é o que nos move, perdoamos, mudamos e fazemos as coisas por amor e etc. Olhando por este lado, esse maldito sentimento é na verdade quem está por trás de tudo, manipulando a quem o aceita como se fossem marionetes condenadas a sofrerem quando ele for embora; então por que eu não vou por a culpa nele? É lógico que vou. E daí que ele tenha levado minha felicidade junto com ele? Ao menos nada mais ele poderá tirar de mim, muito menos devo algo a ele.
    Pense comigo, se com o término daquele seu romance de férias, aquele "sem compromisso", você chorou e se deprimiu ao ponto de não querer sair, não querer ficar no computador, não querer fazer absolutamente qualquer coisa além de chorar deitado na cama, sentindo aquela dor no peito, imagine quando você se deparar com um amor verdadeiro? Aí sim você vai saber o que é dor; e o pior, não tem analgésico para isso, nem sequer um único remédio que ajude.
    Seja sincero, que tipo de pessoa cobraria o preço da sua felicidade para sair da sua vida? É este o tipo de indivíduo que o amor representa. Eu sou inimigo do amor e aquele que foi uma trágica vítima sua, por favor, junte-se a mim. Aqui estou, com todas as minhas forças eu tirei o amor de dentro de mim e ainda estou vivo, então, você também pode; é só querer. Para aqueles que amam, por favor, não pensem que sou inimigo de vocês, sou inimigo do que está correndo em suas veias, que faz pulsar seu coração, e não estou falando de sangue, estou falando desse sentimento tão revoltante chamado amor."

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

"Não Vale a Pena

Deus tem propósito,
Para toda criatura,
Mas eu tenho um plano sórdido,
Que inclusive está nas sagradas escrituras;

Pretendo convencer,
O não convertido,
Que não vale a pena crer,
E muito menos ser perseguido;

E para aquele que já se diz servo,
Mostrarei o reflexo de suas obras,
E quando ele ver que nunca fez o que é certo,
Perguntarei: 'por que tu choras?';

Vem, o mundo chama teu nome,
Como se já não bastasse a carne,
É preciso o espírito também sentir fome?
Então pense e pare;

Por que tanta preocupação de ir à igreja?
Se você for por obrigação será vomitado da boca Deus,
É muito simples, veja:
Você nunca será um dos Seus;

Então o mundo te espera,
E eu sei que já consegui,
Pois não precisa ter pressa,
No fundo você sempre esteve aqui."

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

"Sozinho

Minha insensibilidade,
Diz que você não sentirá saudade,
No momento em que eu partir,
Como se tudo deixasse de existir;

Tudo que foi construído,
A troca de carinho e amor,
Pode ser rapidamente destruído,
Porque é assim que sou;

Pessimista por essência,
Preestabeleço o fracasso da amizade,
Por falta de paciência,
Ninguém suportará minha instabilidade;

Preciso ser amado constantemente,
E quem me amar precisa diariamente,
Provar que seu amor é consequente,
Simplesmente da necessidade de me amar;

Como uma criança mimada,
Não importa o que você faça,
Será tratado como se fosse nada,
Porque nada é o suficiente;

Mas se mesmo assim,
Quiser me amar,
Eu sei que no fim,
Você irá se afastar..."

sábado, 14 de janeiro de 2012

"Quando Dois Recebem

Imagine a água do mar tocando seus pés,
Quem verdadeiramente és,
Tal pergunta fazes olhando o horizonte,
Dos teus pensamentos o arrependimento é a fonte;

Pois o que vivestes foi real, de fato,
Tal como a areia onde pisas,
Não se preocupe, em tua memória está bem guardado,
E fora dela nada restou além de cinzas;

Será que ela está do outro lado do oceano?
Os dois receberam e se afastaram,
E no caso, talvez ela também esteja esperando,
A resposta do que perguntaram;

Perguntaram o porquê de terem guardado,
E quem verdadeiramente são,
Se eles amam ou se tem amado,
Mas é justamente esta a questão;
 
Os dois receberam, mas não tinham conhecimento,
Se também havia entregado,
Quando na verdade se faz os dois ao mesmo tempo,
Para evitar o resultado;

De dar a volta ao mundo,
Usar versos eternos,
Ou buscar no ser humano o sentimento mais profundo,
Por algo que está ridiculamente perto;

Quando dois recebem,
Mas se afastam,
Simplesmente não percebem,
Que apenas se amaram..."

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

"Quando a Lógica Abraça a Solidão

    Era uma vez um senhor, altamente instruído, com direito a curso superior e pós-graduação. Ele estava visitando a igreja que eu participava e era de fato um membro assíduo, frequentemente convidado pelas demais autoridades de outras igrejas para trabalhar em projetos de expansão missionária. Seu currículo no evangelho sem sombra de dúvidas era fantástico, homem o qual você diria que se não fosse salvo, com certeza você também não seria. Um homem sábio com o 'dom' de dar conselhos que se fossem cobrados, seriam exageradamente caros.
     Porém, após o término do culto, eu estava no fim da escada em frente à porta da igreja, esperando os 'irmãos' se socializarem para poder ir à minha casa purificar meus ouvidos com Rammstein. Para minha surpresa, este fiel servo de Deus se aproximou e tentou iniciar uma conversa normal.

_ Então, você é o filho do pastor? Sinto-me honrado conversar com você!
_ Pena que não posso dizer o mesmo.

    Sua expressão de surpresa era notória. Foi aquele jeito de quando você ouve o que a pessoa disse, mas involuntariamente pergunta o que ela falou.

_ Não o entendi muito bem, pode rep... Filha?! Júlia?! Venha já aqui! Mas o que é isso?!

    Que bela surpresa! Sua filha estava beijando de forma indecente o guitarrista da banda da igreja. O casal aproveitava uma sombra estrategicamente feita pelo poste para 'tatearem' um ao outro.

_ Me esquece! Idiota!

    Deixando encabulado tanto o músico quanto o missionário, ela imediatamente se retirou e correu em direção ao estacionamento, sem ao menos se despedir de seu 'companheiro'. Provavelmente ela foi aonde o carro de seu pai estava.

_ Desculpe-me por isso, esses adolescentes...
_ Esses adolescentes o quê? Não podem viver?

    Aos poucos ele notava minhas palavras prontas para machucá-lo.

_ Não entendo, meu jovem. Algum problema?
_ Se você não compreende sua filha, vai mesmo entender o que está acontecendo comigo?

    Eu precisava ver a raiva aparecer em seus olhos.

_ Vamos, estou disposto a te ouvir. Eu, através do Pai, irei encontrar uma solução para o seu problema. Ele tem propósito para tudo e para todos e sei o quanto posso te ajudar sendo um instrumento Dele.

    Ele colocava a mão sobre meu ombro.

_ Então tem um propósito para sua filha ser uma vadia? Quero nem saber que tipo de 'instrumento' deve ser usado para resolver o problema dela...

    Antes de chegar ao meu ombro, sua mão havia parado...

_ Olhe, eu não sei o que está acontecendo, mas...
_ Eu percebi logo quando o senhor chegou que só havia você e sua filha no carro. E o que mais chamou minha atenção foi ela estar sentada no banco de atrás, ainda por cima do lado oposto ao do motorista! Então como vai sua relação com sua filha? E se você tem uma filha, eu pergunto: onde está a mãe? A primeira visita de um missionário tão conhecido como o senhor é um evento a ser considerado importante. Por que então a sua esposa não está presente? Vai me dizer que também não sabe o que está acontecendo com ela?

    Finalmente a raiva havia chegado.

_ Seu pai sabe como é o filho dele? Eu acho que não. Escuta aqui, eu vou subir agora e vou dizer ao seu pai tudo o que você me falou. Aí vamos ver como vai ficar seu vocabulário.

    Sem ao menos esperar uma resposta, o missionário pisou no primeiro degrau e se não fosse pela minha risada, ele teria subido o resto da escada.

_ Pare de rir! Agora!
_ Enquanto você fala com meu pai, vou ali me divertir com sua filha! Principalmente se eu disser que discuti com o senhor. Vamos, seja sincero. O senhor é um homem com um vasto conhecimento e uma invejável sabedoria... Qual o problema da sua família?
_ Antes de subir, eu vou te dizer uma coisa, já que você me parece aquele típico jovem revoltado dentro da igreja. Pois bem, minha filha faz questão de me contrariar e por isso sempre termina tudo dando errado e como se não bastasse, a mãe dela sempre a apoia. Elas não conseguem fazer nada direito na vida e um pirralho como você vem jogar na minha cara que eu não a entendo? E ainda olhando pra mim com essa cara insinuada de que sabe o que eu tenho que fazer? Pegue um carrinho e vá brincar.

    Mais uma vez deu as costas a mim. Mas que mal educado!

_ O senhor na verdade quer que ela viva como você quer. Ou melhor, você não quer largar sua lógica enquanto ela está abraçada com a solidão! Por que você não agarra a loucura que está abraçada com a felicidade?

    Agora quem riu foi ele.

_ Como é? Garoto, tá usando algum tipo de droga quando acaba culto?
_ Se eu estivesse usando uma droga, com certeza seria menos letal que a sua. Vem cá, com todo esse seu respeito, prestígio, embasamento teológico e sabedoria... Você é feliz?
_ Previsível. Sim, sou feliz, tenho minha fé, tenho a Deus o úni...
_ Pare com isso, seu imbecil! Estou perguntando se você é feliz! Pare com 'blá, blá, blá', com essa conversa fiada de que é feliz em Deus e só ele te basta. E essa brincadeira de sabedoria? Confesse que você já cansou de brincar dela também. Como alguém tão importante pode visitar uma igreja sem esposa ou mesmo AMIGOS! É disso que você realmente sente falta. Afinal, todo mundo nessa igreja te conhece de ouvir falar, mas quem aqui já te ouviu chorando? Ou mesmo já gritou com você porque é seu amigo?

    Me senti participando de um fuzilamento.

_ Não se preocupe, senhor, eu conheço alguém igualzinho a você, mas não vou dizer quem é por questões de ética. E o melhor de tudo é que sei exatamente como você chegou a esse estado lamentável. A partir do momento em que não havia mais família e nem amigos de verdade por perto para ajudar, começou no seu interior a construção de um mundo particular, mundo esse regido por uma lógica misturada com fé, aparentemente flexível, no entanto tão rígida e ditatorial quanto as vigas dessa igreja. Você se apegou demais a essa lógica, a esse raciocínio, para poder sobreviver a vida cheia de espinhos onde a relação entre os seres humanos é imprevisível. Sua lógica não permite ser contrariada, pois caso contrário é um ataque direto ao que te sustentou todo esse tempo sem enlouquecer ou desistir: a fé racional. Entenda que esta maldita lógica a qual você é movido, a qual é a fonte de todo o seu comportamento, te roubou algo muito mais importante, tão importante quanto a própria vida: a felicidade. Me diz uma coisa, sua filha com certeza não é evangélica, logo, qualquer coisa, qualquer opção ou escolha que ela tome é e sempre será em vão. Ou seja, para você, ou melhor, para a sua lógica ela é o quê? Uma louca! Pois se Deus é o centro de tudo e ela não acredita Nele, então o fato de ela ser feliz é puramente loucura. Agora, o que sua lógica teológica não enxerga é que sua filha, se você a tratasse bem mesmo sendo 'louca', iria te dar feliz natal, iria dizer 'eu te amo', iria te apoiar ou te visitar no asilo e faria tudo isso de todo coração. Mas, será que essa lógica vai te dizer 'feliz dia dos pais'? Ou ela vai sair andando por aí dizendo que ama você? Será que sua lógica é mais importante do que alguém? Ela não tem coração e está abraçada com a solidão! Solte-a antes que ela te segure com mais força! Entenda, não estou pedindo para você abandonar Jesus, se quiser ir à igreja o problema é seu. Estou pedindo que além de 'carregar a sua cruz', carregue pelo ou menos sua filha junto com você!

    Tenho pena dos pensamentos dele.

_ A sua lógica é um monstro por trás de um herói. Sua lógica afastou pessoas que você ama e que talvez você pudesse amar. Milhares de vezes você deixou de conversar com alguém para deduzir logicamente qual era a intenção dessa determinada pessoa, quando na verdade as intenções dela eram totalmente diferentes, simplesmente por ela não ter a mesma 'lógica' que a sua. Por que não enxergar as coisas de uma maneira diferente? Se sua filha estava se 'pegando' com o guitarrista, qual o problema? Ele não é realmente da igreja? Pior se fosse alguém fora dela. Imagine só, com o tempo, se os dois namorassem, ela não poderia se tornar evangélica? E daí que os dois fizessem sexo? Isso é natural do ser humano, é uma necessidade e se for feito com consciência, tratado com seriedade e muita responsabilidade, torna-se algo simples e satisfatório. É o seguinte: lá no topo dessa escada está sua lógica, já no estacionamento está a loucura. Quem está esperando você junto com a lógica é a solidão, assim como no estacionamento a loucura e a sua única filha o aguardam ansiosas. E então? Aonde você vai?

    Já chorando e sussurrando palavras inaudíveis, ele subiu as escadas. O mais curioso é que eu sabia desse final desde o começo. Drogas são drogas...

_ Prazer, Júlia, sou o filho do pastor. Vi como você falou com seu pai, você está bem?
_ Não muito bem... Você tem tempo de ouvir alguém?
_ Depende, você se importa de me contar no caminho?

    Não vou comentar o que fiz com ela no estacionamento, mas posso garantir que foi com consciência, seriedade e muita responsabilidade... Afinal, como bom moço que sou, eu avisei ao pai dela."

sábado, 7 de janeiro de 2012

"O Cristão Morno e Sua Fé Social

      É a primeira vez que escrevo aqui na forma de prosa, pois este tema me é tão empolgante que não sei se em simples versos eu poderia abrangê-lo da forma desejada. Bem, um amigo meu, recentemente, falando sobre sua vida, reclamou em certo trecho da conversa que sua família o criticava por não ser religioso, tornando a convivência em sua casa um tanto quanto hostil. Particularmente, eu o entendo como ninguém, mas depois de conversar com ele e chegar a minha casa, do nada parei para pensar: o que a família dele entende por 'ser religioso'?
      Pelo o que ele me falou, os pais dele são católicos. Mas qual catolicismo? Pelo que eu mesmo vi são não praticantes. Agora o curioso, porém muitas pessoas não enxergam (pelo ou menos não da minha maneira) que independente de ser evangélico ou católico, a base está em Jesus Cristo, ou se quiser chamar de cristianismo também está certo. Por que citei este detalhe? Simples, o que muitas pessoas não sabem e talvez até se assustem ao saber é que: crer em Jesus Cristo, quero dizer, acreditar que Ele existe e que ele é o Filho de Deus, não é o suficiente para ser salvo. Eu conheço centenas de pessoas que se dizem cristãs, pagam seus impostos, nunca cometeram um roubo, muito menos um assassinato, mas mal sabem elas que mesmo assim podem acabar indo ao inferno do mesmo jeito que um assassino em série, estuprador, pedófilo, psicopata e piromaníaco. E se você está chocado e achando tal afirmação um absurdo, eu ainda vou além! Posso provar a você que Deus prefere seu ateísmo a esse seu cristianismo social. Cristianismo social?
      Afinal de contas, um pessoa 'entendida' pode me citar várias referências como Atos 16:31: 'E lhe disseram: crê no Senhor Jesus e serás salvo tu e tua casa' ou João 1:11-12: 'Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam, mas, a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que crêem no seu nome'. Mas antes de você cometer esse erro, eu o previno. Ser salvo simplesmente por acreditar em Jesus, seria como se a salvação dependesse só de você, como se a salvação fosse um mérito de algum esforço pessoal. Mas quero fazer uma citação direta em relação a salvação que provavelmente você já tenha ouvido falar: Efésios 2:8-9: 'Porque pela graça sois salvos mediante a fé, e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras para que ninguém se glorie'. Talvez você seja induzido a outro erro em dizer que no versículo está escrito 'mediante a fé', mas uso o mesmo critério para dizer que está escrito 'PELA graça'. É pela graça que uma pessoa é salva, diga-se de passagem, graça é um 'dom imerecido', ou seja, você não merecia ser salvo, mas Deus em sua misericórdia concede esta graça. 
       E o reflexo dessa salvação é a fé. Sabe por quê? Porque tem muita gente que pode me dizer o seguinte: 'ah, filho do pastor, sei de várias pessoas que conhecem a bíblia muito bem, mas não acreditam em Deus. Do que adianta? Prefiro não saber tanto sobre 'religião' e acreditar em Deus.' Mas aí eu pergunto a você, criança ingênua: cade as suas obras? Cadê o reflexo da sua fé? O que você já fez e tem feito de bom e construtivo? Se eu, ou melhor, se o Deus que você jura acreditar, olhar para sua fé, o que ele vai ver? É meu colega, se enxergue. Agora, você já parou para pensar que existem vários tipos de fé? No mínimo isto é curioso. Existe a fé comercial onde o 'cristão' vai à igreja apenas a procura de retorno material, existe a fé circunstancial onde o indivíduo naquele momento de extrema necessidade apela para o divino, enfim, há centenas de categorias, no entanto, a fé tema deste texto é a fé social. Finalmente chegamos à fé dos pais do meu grande amigo. Sei que esta é a fé deles porque antes de se ter uma fé social, o indivíduo tem também uma fé alienada, em outras palavras, uma fé sem conhecimento. Em Mateus 22:29 temos: 'Jesus, porém, respondendo, disse-lhes: errais, não conhecendo as escrituras, nem o poder de Deus'; e principalmente temos Romanos 12:2: 'Rogo-vos, pois, irmãos, pela compaixão de Deus que apresentei os vossos corpos em sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional'. Culto racional? É meus caros, Deus exige que você saiba o que está fazendo a partir do momento em que você diz crer Nele, ou seja, a bíblia dá a prova de que não se acredita em Deus de qualquer jeito e caso alguém ainda insista em acreditar Nele como bem entender, vai acabar errando enquanto acha que está fazendo tudo certo. Então como se acredita em Deus agradando a Ele? Tudo começa pelo conhecimento, ou seja, lendo a bíblia. Aquele que se diz cristão, mas não lê a bíblia, não a estuda profundamente para entendê-la, não vai à igreja e não pratica boas obras, está muito longe, na minha opinião, de ser salvo.
      Os pais do meu querido amigo apenas são cristãos para responder a pergunta 'vocês são religiosos?', logo, eles não tem de fato o temor a Deus e sim o medo do julgamento da sociedade. Agora vem minha parte favorita: se os pais dele pensam que deste modo vão acabar descansando no céu pela eternidade, tenho uma péssima notícia para dar...
      É tão interessante a semelhança! Veja, a referência que faço agora está em Apocalipse 3:14-18, capítulo dedicado a sete igrejas da Ásia menor na época. A igreja que destaco é a de Laodicéia e este foi o recado para ela: '[...] Conheço tuas obras, que nem és frio nem quente, quem dera fosses frio ou quente! Assim, porque és morno, vomitar-te-ei da minha boca. Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, pobre e nu. Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças, e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez e que unjas teus olhos com colírio, para que vejas'.
      Os pais do meu amigo gozam de semelhante estabilidade financeira, sentem a mesma confiança e segurança que a igreja de Laodicéia sentia, e acham que está tudo ok com Deus do mesmo jeito que Laodicéia achava. Mas, se pudéssemos dar uma característica humana a Deus agora, na minha opinião, seria nojo ou mal estar, já que Ele vomitaria. Já imaginou Deus com nojo de alguém? Ou já imaginou Deus se sentindo mal perto de alguém? Digo com todo prazer aos pais do meu amigo que o Senhor prefere o filho deles que é ateu (ou frio), do que eles que são mornos. Cada um deles não passa de um '[...] desgraçado, pobre e nu', mesmo morando na parte nobre da cidade.
      Caro leitor, se você se encontra 'em cima do muro' para com Deus, por favor, não O faça te vomitar da boca, tenha coragem: assuma sua descrença. Para Ele, ou você é, ou você não é, com Deus não dá para ir empurrando com a barriga. Pense nisso e veja quanto tempo e quantas coisas você já fez e disse em vão, e ainda por cima, só pioraram a sua situação na lista de aprovados no céu."
E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus:
Apocalipse 3:14
E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus:

Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!

Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.

Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;

Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas
Apocalipse 3:14-18

E ao anjo da igreja que está em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus:

Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; quem dera foras frio ou quente!

Assim, porque és morno, e não és frio nem quente, vomitar-te-ei da minha boca.

Como dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um desgraçado, e miserável, e pobre, e cego, e nu;

Aconselho-te que de mim compres ouro provado no fogo, para que te enriqueças; e roupas brancas, para que te vistas, e não apareça a vergonha da tua nudez; e que unjas os teus olhos com colírio, para que vejas
Apocalipse 3:14-18A igreja de Laodicéia era uma igreja rica, tão confiante em seus bens que sua fé estava oca, apenas era um templo de Deus quando se mostravam para sociedade, mas os cristãos que lá congregavam estavão totalmente longe do Senhor. Engraçado, os pais do meu são muito ricos e tem tal estabilidade financeira que os permitem terem uma confiança semelhante a qual a igreja de Laodicéia tinha,