Um filho rico de um rico pastor, escrevendo sobre sua vida dentro e fora da igreja; em uma sutil forma de poesia.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

"Pague o Preço

    Os sentimentos de maneira geral têm uma característica fascinante: a capacidade de se segurarem ou mesmo de se 'agarrarem' no nosso interior de uma maneira única, a qual apenas os sentimentos podem fazer. É algo realmente impressionante quando o que sentimos chega a ser tão grande que me obriga a perguntar: quem foi o autor dos sentimentos? Quem foi o ser superior o qual criou algo tão poderoso? Capaz de atravessar o tempo, superar a morte e realizar tantas outras coisas impossíveis?
     Bem, no momento queria me deter no sentimento que em minha opinião é o mais revoltante de todos: o amor. Sua vasta compreensão não permite a um pobre mortal abranger todas as suas faces, mas, focarei em uma das que mais me chama atenção. Se o amor se apega de tal forma no nível mais profundo de nosso ser, o que pode acontecer se houver a necessidade deste amor ser retirado? Sim, muitos príncipes e muitas donzelas no passado e inúmeras pessoas no presente enxergaram apenas a triste opção de tirar a própria vida para poder arrancar um amor de suas 'almas'. E há quem não acredite na força do amor.
    É algo tão doce e ao mesmo tempo amargo, saber que todos estão aptos para sentir algo, seja variando do extremo ódio ao puro amor, porém, ser abalizado para deixar de sentir determinado sentimento pode ser a tarefa mais árdua a ser enfrentada por um ser humano. Pois assim como houve os que fracassaram nessa missão, também existem os que 'conseguiram'. Mas, conhece aquela frase que diz 'tudo tem um preço?', pois bem, está aí uma verdade que podemos chamar de universal. Os que conseguiram tirar um amor de verdade de suas vidas, provavelmente pagaram o alto preço que o amor exige para ser removido: a felicidade.
    A partir daí podemos criar um ciclo vicioso e viver entre a cruz e a espada. Qual o ser humano que pode viver sem amar? Aquele que não quer ser feliz. Então há alguém que não queira ser feliz? Aquele que não deseja correr o risco de sentir a dor de apagar um amor - E eu sou esse alguém - ... Porém, o maior problema é que somos realmente viciados em sentimentos e não percebemos isto.  Interessante, não? Para os humanos é impossível sentir absolutamente nada, logo, assim como um viciado em drogas pesadas, procuramos involuntariamente sentir algo por alguém para saciarmos este vício que todos nós temos, seja do amor por um pai, uma amizade por um amigo de infância ou uma raiva do seu chefe no trabalho.
    Porém, para aqueles que decidiram 'pagar' para não mais amarem, ocorrerá um sério agravante sobre essa decisão: ter de pagar o maldito preço da felicidade todos os dias. Por quê? Porque todos os dias vamos querer amar? Não exatamente. Paga-se todo dia porque a partir do momento em que você achar que não vai mais amar, o amor com certeza vai te pegar de surpresa. Então se faz a pergunta: será mesmo que vale a pena pagar com a felicidade para deixar de amar? Qual seria a graça da vida sem riscos? Inclusive, o risco de amar e se decepcionar? Bem, é uma decisão pessoal. Há quem diga que sou covarde por fazer isso, mas eu refuto este argumento ridículo, pois se teve alguém que foi covarde comigo foi o amor; porque quando mais precisei dele, ele deu às costas a mim.
    Você pode me dizer que estou passando a culpa de terceiros para o coitado do amor, mas não é verdade. Sabe por quê? Quando uma pessoa pede para se casar com alguém, por exemplo, muito provavelmente dentro deste indivíduo existe um sentimento que chamamos de amor. Logo, o amor é o que nos move, perdoamos, mudamos e fazemos as coisas por amor e etc. Olhando por este lado, esse maldito sentimento é na verdade quem está por trás de tudo, manipulando a quem o aceita como se fossem marionetes condenadas a sofrerem quando ele for embora; então por que eu não vou por a culpa nele? É lógico que vou. E daí que ele tenha levado minha felicidade junto com ele? Ao menos nada mais ele poderá tirar de mim, muito menos devo algo a ele.
    Pense comigo, se com o término daquele seu romance de férias, aquele "sem compromisso", você chorou e se deprimiu ao ponto de não querer sair, não querer ficar no computador, não querer fazer absolutamente qualquer coisa além de chorar deitado na cama, sentindo aquela dor no peito, imagine quando você se deparar com um amor verdadeiro? Aí sim você vai saber o que é dor; e o pior, não tem analgésico para isso, nem sequer um único remédio que ajude.
    Seja sincero, que tipo de pessoa cobraria o preço da sua felicidade para sair da sua vida? É este o tipo de indivíduo que o amor representa. Eu sou inimigo do amor e aquele que foi uma trágica vítima sua, por favor, junte-se a mim. Aqui estou, com todas as minhas forças eu tirei o amor de dentro de mim e ainda estou vivo, então, você também pode; é só querer. Para aqueles que amam, por favor, não pensem que sou inimigo de vocês, sou inimigo do que está correndo em suas veias, que faz pulsar seu coração, e não estou falando de sangue, estou falando desse sentimento tão revoltante chamado amor."

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

"Não Vale a Pena

Deus tem propósito,
Para toda criatura,
Mas eu tenho um plano sórdido,
Que inclusive está nas sagradas escrituras;

Pretendo convencer,
O não convertido,
Que não vale a pena crer,
E muito menos ser perseguido;

E para aquele que já se diz servo,
Mostrarei o reflexo de suas obras,
E quando ele ver que nunca fez o que é certo,
Perguntarei: 'por que tu choras?';

Vem, o mundo chama teu nome,
Como se já não bastasse a carne,
É preciso o espírito também sentir fome?
Então pense e pare;

Por que tanta preocupação de ir à igreja?
Se você for por obrigação será vomitado da boca Deus,
É muito simples, veja:
Você nunca será um dos Seus;

Então o mundo te espera,
E eu sei que já consegui,
Pois não precisa ter pressa,
No fundo você sempre esteve aqui."

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

"Sozinho

Minha insensibilidade,
Diz que você não sentirá saudade,
No momento em que eu partir,
Como se tudo deixasse de existir;

Tudo que foi construído,
A troca de carinho e amor,
Pode ser rapidamente destruído,
Porque é assim que sou;

Pessimista por essência,
Preestabeleço o fracasso da amizade,
Por falta de paciência,
Ninguém suportará minha instabilidade;

Preciso ser amado constantemente,
E quem me amar precisa diariamente,
Provar que seu amor é consequente,
Simplesmente da necessidade de me amar;

Como uma criança mimada,
Não importa o que você faça,
Será tratado como se fosse nada,
Porque nada é o suficiente;

Mas se mesmo assim,
Quiser me amar,
Eu sei que no fim,
Você irá se afastar..."

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2012

"A Seita e o Comércio Fazem seu Preço

    Quando alcancei um grande reconhecimento nas igrejas da cidade, estava cada vez mais difícil de se manter uma 'máscara'. Qualquer que fosse a igreja que estendesse a placa de mesma denominação que a 'minha', os membros dessa igreja saberiam quem eu sou. De fato, as melhores ideias surgem em tempos de crise e foi justamente o que aconteceu: por que tanto trabalho em fingir para pessoas que reconheço estarem fingindo também?
    Afinal, nada mais normal do que isso. Quantos jovens além de mim não estariam na mesma situação? Só não sabia que seriam tantos. Tudo começou com uma reunião de adolescentes convocada por mim mesmo, em minha casa, na qual convidei possíveis 'revoltados' na igreja para se juntarem a mim. Bem, eram ao todo cinco pessoas, mas após essa reunião, ou melhor, logo na segunda reunião já havia mais de trinta pessoas. O se faz lá? Simples: comemos, bebemos, escutamos música e quem estiver afim, os quartos estão disponíveis. Obviamente isto não cai do céu, seria mais fácil subir do inferno, mas festas mensais desse porte, além de minha casa não poder mais suportar esta grande quantidade de pessoas, cada vez mais se precisava de dinheiro.
    Para resolver este problema, criamos um órgão de jovens e adolescentes, sendo sua sigla altamente comprometedora e por isso não será revelada aqui; o qual seu primeiro objetivo seria encontrar um local seguro para nos reunir. Então, o nosso pilar administrativo era a organização, pois qualquer falha, qualquer suspeita, poderia acarretar em consequências desastrosas. Por esta razão, estabelecemos e destribuimos cargos como presidente (eu), tesoureiro e secretários. Apesar de jovens, não poderíamos deixar de sermos espertos. Antes da diversão começar, eu os massacrava com conhecimento bíblico e doutrinário, tornando nosso disfarce cada vez mais impecável. Aquele membro que não quisesse participar dos estudos, seria indescutivelmente expulso da 'seita', pois nos cultos de domingo, todos deveriam estar áptos a participar de debates e demonstrar o que foi ensinado nas nossas reuniões.
    Depois de um tempo amadurencendo nossas ideias, chegamos a uma conclusão óbvia: o melhor lugar para nos encontrarmos é a própria igreja. Durante a semana os pais trabalham até tarde, o templo possui câmeras de segurança e foi construida para não deixar que o som escapsse, tornando impossível para alguém de fora ouvir as atividades feitas lá dentro.   
    Enfim, o que quero destacar da criação desta seita, entre tantas histórias, é a de uma adolescente em particular, pois a história dela está ligada ao único episódio onde a seita fora infelizmente revelada e minha máscara, quase removida. De fato isto aconteceu, mas todo problema tem solução, menos para salvação. Posso começar com o excelentíssimo pai dela, presidente do Conselho da igreja, membro de reputação induvidável e forte candidato a assumir o lugar de meu pai nas próximas eleições pastorais. Bem, já sua filha, se destacava nas reuniões da seita simplesmente por ser a garota, digamos, com o corpo mais abençoado já visto pelos meus exigentes olhos. Além disso, o fato de ter encontrado alguém (uma garota) mais psicopata do que eu, foi assustador e fantástico. Quando ela apareceu nas reuniões da seita, naquele dia em diante, sempre terminei os 'cultos' no quarto com ela e sinto saudades desses tempos...
    Mas, o que eu não sabia, tão cego e feliz nessa época, eram as reais intenções dessa garota. Inevitavelmente, quando se tem uma vida dupla, o amor se transformará com certeza em decepção. Sim, eu me apaixonei por ela e este erro quase custou o término da seita. No entanto, ela não sabia porque meu pseudônimo era Lúcifer, mas estava prestes a descobrir da pior maneira. Resumindo a situação, o pai dela queria com todas as suas forças assumir o cargo de pastor da igreja e faria tudo para conseguir esse patamar. Quando falo 'tudo', estou incluindo a sua adorável filha. Em um belo dia de reunião, antes de ir ao quarto com ela, eu a ouvi no banheiro nítidamente, como se estivesse conversando com alguém. Bem, logicamente deveria estar no celular, sendo isto uma infração altamente grave contra a seita cuja pena é a expulsão definitiva do membro e ela estava ciente disso. Mas, expulsá-la sem antes saber os detalhes dessa ligação não faz o meu estilo. Sorrateiramente encostei o ouvido na porta e a primeira e suficiente palavra que ouvi foi 'pai'.
    Quando a porta do banheiro abriu, eu já estava no quarto esperando por ela. Olhando bem fundo dos seus olhos, percebi um nível e uma capacidade de mentir que o Diabo poderia perder com muita facilidade um de seus títulos: Pai da Mentira. Assim que a reunião acabou, despedi-me dela como de costume e chamei sigilosamente meus secretários de maior confiança cujos pseudônimos são Asmodeus e Belial. Para minha sorte, era Carnaval e os pais dos membros da seita viajavam as mil maravilhas para um retiro evangélico, enquanto eu, como filho do pastor, tenho a chave da igreja. Mas, meu pai não sabe é que também tenho a chave do gazofilácio. Quando chegamos à igreja era por volta das dez horas da noite, mandei eles abrirem e separar todos os envelópes de dízimos do pai de nossa querida traidora para confirmar minha teoria.
    Não precisei ser um gênio. Nas duas primeiras semanas de Janeiro, o seu dízimo era como o de qualquer outro ofertante da igreja. Porém, da última semana de Janeiro em diante, seu dízimo caiu para menos de cinco por cento do original e se comparado ao primeiro dízimo do ano, é praticamente uma esmola. Então, há alguém passando por dificuldades financeiras? Acho que sim. Felizmente, meu pai também costuma guardar certos documentos de seu trabalho com aluguel de imóveis no gabinete pastoral. Mandei Asmodeus recolocar cuidadosamente os envelopes e ligar com urgência para meu tesoureiro, Sammael. Enquanto isso, Belial folheava a lista de canhotos de pagamento de aluguéis. Meu pai gentilmente fornecia descontos a certos irmãos que estivessem passando por problemas econômicos e coincidentemente, o nome do pai dela estava lá e segundo observações nos recibos, havia aluguéis atrasados a serem acertados.
     Trazendo à tona a seita para a congreção, meu pai seria excomungado e pisado pelo Conselho como se fosse um inseto. Já ele, o pai ambicioso, surgiria como herói no final disso tudo por ter descoberto este ciclo de perdição que envolvia mais da metade dos jovens da igreja. Mas, antes disso acontecer, eu providenciei um castigo digno de sua audácia e ele nunca irá esquecer... Então comecei meu plano ligando para o pai dela, chamando-o imediatamente para igreja mesmo estando ele no retiro. Também pedi para meus secretários digitarem um novo contrato e falsificarem a assinatura do meu pai.
    Sabendo que o assunto era o aluguel de sua casa, aquela cobra concordou em vir sem questionar e já estava a caminho da igreja, ele só não entendeu porque 'o pastor' havia também ordenado que ele trouxesse sua filha. Chegando por volta de onze e meia, ele subiu as escadas chamando pelo nome de meu pai, mas apenas o silêncio o intrigava

_ Sr. Ralf? É um prazer vê-lo novamente. O mesmo posso dizer de sua amável filha. Por favor, sentem-se.

    Eu estava em pé atrás do púlpito, com Asmodeus e Belial ao meu lado, enquanto Sammael segurava sua câmera para gravar todo o momento.

_ O que isso significa? Onde está seu pai?

    Ele me perguntava enquanto olhava impaciente para sua filha.

_ Isso siginifica uma lição para toda sua vida. E meu pai está no cargo de pastor da igreja, de onde não sairá nem tão cedo... Gostaria de informar ao senhor que de hoje em diante, estou assumindo os negócios da família. Aqui está a procuração, dando-me poder total sobre todos os pagamentos e quitações de débito dos aluguéis, incluindo o seu.
_ Eu não vou perder meu tempo discutindo com um moleque! Vou procurar seu pai agora mesmo!
_ Se o senhor sair agora, assinarei sua ordem de despejo. Segundo o novo contrato, você terá vinte e quatro horas para deixar o local e cuidar da sua vida.

Ele parou... E se virou lentamente...

_ Você acha mesmo que não estou ciente das suas dívidas? Acha mesmo que não tenho a mínima ideia de que o senhor pretende assumir o cargo de meu pai como pastor para ter alguma estabilidade financeira? Faça-me o favor, sr. Ralf, se já não bastasse dever a alma a Deus, deve agora sua casa a mim. E assim como Deus, eu exigo de você obediência...

    Calmamente ele abraçou sua filha e se sentou novamente.

_ O que... O que você quer...? Quer que eu tire meu nome das eleições depois de um ano inteiro de campanha? Como vou explicar minha desistência repentina? E por que infernos esse garoto tá filmando isso?

    O inferno estava prestes a começar.

_ Você desistiu porque pretende almejar outro cargo que não envolva retorno financeiro. Parabéns, você agora é o mais novo líder missionário da igreja! E ele está gravando porque quero que você veja o alto preço de se tentar mexer com nossa seita. Venha até aqui.

_ Missionário? Eu não tenho a menor capacidade ou preparo de fazer algo do tipo. Por favor, eu imploro, pense em alguma outra função! Não seja tão severo... Como você bem descobriu, eu estava desesperado! Tudo o que fiz foi para manter a dignidade de minha família! Por favor! Onde está a bondade que seu pai tinha?!
_ Por favor, sr. Ralf, segure isto. Se você, por qualquer motivo, soltá-la ou abaixá-la, a ordem de despejo será assinada. Continue filmando.

    Sammael entregou a câmera a ele enquanto Belial e Asmodeus se aproximavam de sua filha.

_ Podem começar.

    Asmosdeus, Belial e Sammael rasgaram violentamente as roupas da garota e a puxavam e tocavam como se fossem animais, enquanto ela gritava pedindo por socorro. Mas, como eu também não havia me enganado quanto a isso, poucos minutos após os três iniciarem o assédio, ela soltou um sorriso...

_ Está vendo? Posso garantir um belo lar para sua família, não se preocupe... Mas a dignidade que você tanto preza já não existe mais...
_ Eu não quero filmar isto! Pare! Faça-os parar! Filha! Não!

    Eu não queria ter que gravar minha filha sendo tão humilhada e abusada em um banco de uma igreja por três rapazes ao mesmo tempo, e ainda por cima, saber que ela estava gostando disso.

_ Não se preocupe, sr. Ralf, nossa seita preza pelo alto sigilo...

    Eu os orientei para que não demorassem no ato sexual, pois o choque é apenas inicial. Quando o relógio sinalizou meia-noite, eles haviam acabado e estavam visivelmente satisfeitos, mas o mesmo não poderia ser dito de nosso ilustre convidado.

_ Por que... Por que..

    Rapidamente tirei a câmera de sua mão e rasguei a ordem de despejo.

_ Seja mais otimista. Se sua filha tivesse folêgo estaria me dizendo 'obrigada'. E aposto mais ainda que se não fosse pelo senhor, ela ainda continuaria frequentando nossas reuniões. Seu desconto será mantido nas mensalidades. Você será mandado na próxima reunião do Conselho para um preparatório missionário, onde se capacitará para exercer sua função. Mas não se acostume, minha bondade é extremamente volátil.
 _ Filha! Meu Deus... O que aconteceu...

    Ele se aproximava de sua filha que estava imóvel e ofegante. Aos prantos, ele via que além de ter vendido a própria dignidade, também não havia conseguido passá-la para sua própria filha.

_ Pois então, estamos resolvidos. O senhor tem uma cópia da chave da igreja, não? Quando sair, não esqueça de fechar a porta. Foi um prazer negociar com você.

     Todos temos um preço. A dignidade dele foi comprada pela sua casa, já a minha ira foi comprada pela dignidade do sr. Ralf. Assim, nesse comércio de almas ou de suas partes, todos nós podemos sair lucrando. E o seu? Qual é o seu preço?"